domingo, 26 de julho de 2015

NESTA TERÇA-FEIRA, PELA NATIVA FM, HOMENAGEM AO VALOROSO PAPEL DAS MULHERES GAÚCHAS!!!

DUAS FOTOGRAFIAS DE MÃE MARFIZA, A PARTEIRA DE MINHA MÃE QUANDO DO MEU NASCIMENTO. 


               **********************
NESTA TERÇA-FEIRA, PELA NATIVA FM, UM TRECHO DA OBRA “AS PARTEIRAS” DE ELMA SANT’ANA!!!

        ****************************


"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

                 *****************

OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h30min.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.
Na internet: www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.
                        *****************
Nesta        TERÇA-FEIRA, 11 de AGOSTO de 2015, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1)        HOMENAGEM AO MUNICÍPIO DE NOVA PRATA, RS;
2)        DESTAQUE À MEMÓRIA EVOCADA PELA DATA DE 11/08/1847           QUE ASSINALA O NASCIMENTO        DE LUCIANA DE ABREU, ESCRITORA NASCIDA EM PORTO ALEGRE, FALECIDA NA MESMA CIDADE EM 1880, CONSIDERADA A PRIMEIRA MULHER BRASILEIRA A DISCURSAR EM PÚBLICO PELOS DIREITOS DAS MULHERES, A QUAL PROFERIU VÁRIAS CONFERÊNCIAS MAIS TARDE COMPILADAS E PUBLICADAS POR POR DANTE DE LAYTANO, NO ANO DE 1949;
3)DESTAQUE AO VALOROSO PAPEL DAS MULHERES GAÚCHAS POR MEIO DE TRECHOS DA OBRA “AS PARTEIRAS” DE ELMA SANT’ANA (Porto Alegre: SIMERS: CORAG, 2006);  
4)O CAUSO “A MALETA DA PARTEIRA” DE ELTON BARBOSA, EXTRAÍDO DE SUA OBRA “NA HORA DO MATE – Contos Gauchescos” (Pelotas: Edição do Autor, 2008, p. 63 a 64);
5) O POEMA INÉDITO “MÃE MARFIZA” DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.
***********
EIS O POEMA EM DESTAQUE:            

“MÃE MARFIZA
(Autor: JUAREZ MACHADO DE FARIAS)
         **********

As duas fotografias
Que minha vista divisa
Mostram um rosto em dois tempos
De alguém por nome MARFIZA.
     ************
Uma senhora abençoada
Naquela vida campeira
Tantas vidas trouxe ao mundo
Pelo ofício de parteira.
             **********
Minha mãe assim contou:
Quando em seu ventre eu crescia,
Chamou, logo, Mãe Marfiza
Até chegar o meu dia.
               *********
Muitos dias lá ficou
No lar de minha família,
Ninguém sabe se cobrou
Pelas horas de vigília.
              *********
Mãe Marfiza fez o parto
Naquele início de agosto,
No dia dois de um mês “brabo”,
Sempre firme no seu posto.
              ************
Por isso, desde criança,
Eu a chamo “Mãe Marfiza”,
E mesmo além de sua morte,
Meu verso aqui a eterniza.
                ********
A escutar os quero-queros,
Cortou-me o laço do umbigo
Que numa caixa de fósforos
Minha mãe guarda consigo.
          ********
E eu não perco a lembrança
Da infância que lá vivi.
Pelas mãos de Mãe Marfiza
Meus olhos ao mundo abri.
Sigo assim: guri de campo
No mesmo Piratini.”

                       


************
Segundo texto publicado em www.wikipedia.org, acesso em 26 de julho de 2015:

“Biografia[editar | editar código-fonte]
Abandonada na roda dos expostos da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre logo depois de seu nascimento, Luciana de Abreu foi adotada dias depois por Gaspar Pereira Viana e por sua esposa.1 Ele trabalhava como guarda-livros da casa comercial de Pôrto Irmãos.

Cresceu na família Viana e, em 1867, casou-se com João José Gomes de Abreu. Tiveram dois filhos, Maria Pia e Teófilo.1 Entrou, depois, para a Escola Normal, criada em 1869, e ao concluí-la conseguiu ingressar no magistério provincial.1

Escritora, Luciana se distinguiu nos meios culturais e nos saraus literários, tendo sido convidada para ingressar na Sociedade Pártenon Literário.1 Foi a primeira mulher a entrar, no Brasil, para uma sociedade literária, bem como a primeira mulher que subiu à tribuna para expor suas ideias, entre as quais a da emancipação da mulher.1

Faleceu aos trinta e três anos de idade, vítima de tuberculose.1


Dante de Laytano reuniu, em 1949, vários de seus poemas em três volumes, sob o nome de Preleções.”

NESTA SEGUNDA-FEIRA, PELA NATIVA FM, DESTAQUE À MEMÓRIA DE GUMERCINDO SARAIVA E AO MUSICANTO, FESTIVAL MUSICAL DE SANTA ROSA!!!

FOTOGRAFIA DO PALCO DO MUSICANTO DA CANÇÃO, FESTIVAL MUSICAL DE SANTA ROSA, RS. IMAGEM DISPONÍVEL EMhttp://www.ijui.com/regiao/69289-musicanto-teve-grande-publico-na-primeira-noite-em-santa-rosa.html , ACESSO EM 26 DE JULHO DE 2015.
FOTOGRAFIA DE GUMERCINDO SARAIVA DISPONÍVEL EM  http://retalhosdahistoria.spaceblog.com.br/1198465/TIGRE-DOS-PAMPAS-Guerra-Civil-Federalista-no-Parana/, ACESSO EM 26 DE JULHO DE 2015.


                                    **************************


NESTA SEGUNDA-FEIRA, PELA NATIVA FM, DESTAQUE À MEMÓRIA DE GUMERCINDO SARAIVA, MORTO EM 10 DE AGOSTO DE 1894!!!

        ****************************


"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

                 *****************

OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h30min.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.
Na internet: www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.
                        *****************
Nesta        SEGUNDA-FEIRA, 10 de AGOSTO de 2015, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1)        HOMENAGEM AO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA, RS, E A SEU TRADICIONAL FESTIVAL DE MÚSICA, O MUSICANTO, CRIADO EM 1983, NA GESTÃO DO PREFEITO ERNI FRIDRICHS;
2)        DESTAQUE À MEMÓRIA DE GUMERCINDO SARAIVA, MORTO EM 10 DE AGOSTO DE 1894;
3)O CAUSO INÉDITO “SEGREDO DE LONGEVIDADE” ESCRITO E ADAPTADO POR JUAREZ MACHADO DE FARIAS A PARTIR DE RELATO DE ROLANDO BOLDRIN EM SEU PROGRAMA “SR. BRASIL” PELA TV CULTURA (São Paulo);
4) O POEMA "MILONGA DO MARAGATO” DE JOÃO SAMPAIO, EXTRAÍDO DE SUA OBRA “PARA ALGUNS ILUMINADOS” (São Luiz Gonzaga: Edição do Autor, 1999, p. 117 a 118).
***********
EIS O POEMA EM DESTAQUE:

“MILONGA DO MARAGATO
(Autor: JOÃO SAMPAIO)

********
Maragatiei nos rincões
Com bravura e altaneria
Para legar fidalguia
Às futuras gerações
E assim nas revoluções
Me viram em toda parte
Como um crioulo baluarte
Resistindo nos confins
Gaspar Silveira Martins
Legenda... Terra... Estandarte!

              *******

É um brasão do meu Partido
Que na alma se perfila
Gomercindo e Raul Pilla
Jamais cairão no olvido
Cantando assim comovido
Vou destapando a memória
Dos tauras garrão e glória
Deste Rio Grande patrício
Juca Tigre e Aparício
Dois construtores de História!
        **********
Honório Lemes... Zeca Neto...
Leonel Rocha e Portinho
São luzes do meu caminho
E clarões do meu afeto
Velhos símbolos diletos
Que honraram Pátria e Rincão
Hortêncio e Aníbal Padão
Legendas em labareda
Assis Brasil e Cabeda
Santos de mi’a devoção.
             ***********
Há um místico legado
Ideal... Doutrina... Instrumento
E um crioulo testamento
Neste lenço colorado
Velho lábaro sagrado
Teus princípios se difundem
E por mais que os homens fecundem
As rebeldias baguais:
Ideias não são metais
Que simplesmente se fundem!
     **************
Hoje o tempo e os pesares
Não mancham meu evangelho
Antero Marques... Brito Velho
Men de Sá e Joca Tavares
São exemplos luminares
De uma chama permanente
Que arderá eternamente
Pois quando o sol vai entrando
É um lenço se desfraldando
Nos ombros do Continente!
       ***********
‘Os apóstolos da fé
Que usam lenço vermelho
Se sabem morrer de pé
Não podem viver de joelho!’


(Gonçalves Viana)’”

sábado, 25 de julho de 2015

NESTA SEXTA-FEIRA, PELA NATIVA FM, HOMENAGEM A PASSO FUNDO E A DOIS ILUSTRES PASSOFUNDENSES!!!

CLARY COSTA, ALGACIR COSTA E O FILHO DO CASAL, O ENTÃO PROMISSOR YAMANDU COSTA.
Fonte: http://promemoriacanarana.blogspot.com.br/2010/10/algacir-costa-autor-do-hino-de-canarana.html, ACESSO EM 25 DE JULHO DE 2015.

                           **********

NESTA SEXTA-FEIRA, PELA NATIVA FM, HOMENAGEM A PASSO FUNDO E A DOIS ILUSTRES PASSOFUNDENSES!!!

        ****************************


"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

                 *****************

OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h30min.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.
Na internet: www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.

Nesta        SEXTA-FEIRA, 07 de AGOSTO de 2015, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1)        HOMENAGEM AO MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, RS;
2)        O CONTO “UM GUARDADO DE PURO OURO” DE LUIZ GONZAGA SOARES NASCIMENTO, EXTRAÍDO DE SUA OBRA “NA SOMBRA DA FIGUEIRA GRANDE – Causos e Charlas” (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 1994, p. 27 a 30);
3)O CAUSO INÉDITO “A PERNA DOENTE” ESCRITO E ADAPTADO POR JUAREZ MACHADO DE FARIAS A PARTIR DE RELATO DE ROLANDO BOLDRIN EM SEU PROGRAMA “SR. BRASIL” PELA TV CULTURA (São Paulo);
4) O POEMA "VIDA DE CASERNA” DE ALGACIR COSTA, DISPONÍVEL EM www.juntandorimas.com, ACESSO EM 25 DE JULHO DE 2015;
5) DESTAQUE ÀS TRAJETÓRIAS DOS ARTISTAS ALGACIR COSTA E YAMANDU COSTA, ILUSTRES PASSOFUNDENSES.
***********
EIS O POEMA EM DESTAQUE:

“VIDA DE CASERNA
(Autor: ALGACIR COSTA)

      Foi lá por sessenta e três
      Lembrarei pra sempre irmão,
      Eu "bem louco pra servir"
      Ser pracinha da nação
      Aí seria mais homem
      No pensamento de então.
                   **********
      Lá no "primeiro do vinte"
      Cheguei de manhã bem cedo
      Era em casa Passo Fundo
      Hoje conto sem segredo
      Fui chegando pro portão
      Num alvoroço sem medo
      Lá dentro se era escolhido
      Quase que a ponta de dedo
             ***********
      Lindo toque da alvorada
      O clarim me despertava
      Depois de arrumar a camita
      Para o rancho nós rumava.
      Entrava em forma e na fila
      Porque a ordem decretava
      Cada um com seu copito
      O desjejum preparava.
                   ***********
      Nós chegamos de "a paisano"
      Fica uns dias desse jeito
      "Levamo" a primeira "tosa"
      Todo mundo satisfeito
      Fiquei com a "pinha" alumiando
      Num cadete bem mal feito
      Pois cabeça de milico
      No quartel não impõe respeito.
                     ***********
      Foi como um grande rodeio
      Veio logo a apartação
      Fui o "cento e trinta e três"
      Do terceiro pelotão
      E vieram me perguntando
      Qual ofício ou profissão,
      Burocrata ou diplomado
      Ia logo pra seção.
                        *********
      Logo "aprendemo" a entrar em forma
      Para a primeira instrução
      De sentido e descansar
      A segurar o mosquetão
      A marchar enfileirado
      Pelo pátio do esquadrão
      Aquilo mais alinhado
      Do que teta de leitão.
             **********
      Bem logo veio a faxina
      Que nos mandou o capitão
      Pra tirar grama das pedras
      Com ferros de rasquiação
      Uns "pintava" outros "lavava"
      E todos tinham função
      Na hora que tocou o rancho
      Alegrou meu coração.
                    ***********
      Vai uns "mês" pra "passar a pronto"
      Sempre à baixo de instrução:
      Desmonta metralhadora
      Mexe em sabre e mosquetão
      Tira serviço na guarda
      -Cavalariça ou plantão
      Nunca se dorme na hora
      Nem fica sem munição.
                   ***********
      O índio que vem de fora
      No quartel sempre se acerta
      Sabe andar bem de a cavalo
      De madrugada desperta
      Tira serviço pros outros
      Quando nos cobres se aperta
      E se vai pra algum bochincho
      Ninguém faz a descoberta.
                 ********
      Já o rapaz da cidade
      Dizem de papai é filho
      É macio no caminhar
      No olhar tem outro brilho
      Sofre muito na instrução
      Na marcha até perde o trilho
      Anda pulando na cela
      Pede socorro o lombilho.
                 ***********

      Boa vida tem compadre
      No quartel o cassineiro
      Não come o resto que sobra
      Porque já comeu primeiro
      Fica boleado de gordo
      Que nem cusco de açougueiro
      E coitado do milico
      Que encrencar com o rancheiro.
                   ************

      Tem cristão que acha bom
      Lá é tudo padronizado
      Desde o soldo até o arreio
      Toda a roupa do soldado
      Não tem rico não tem pobre
      Fica tudo misturado
      E o que é guapo vive bem
      Encontra-se respeitado.
                 *************

      Pra ser bom de ser soldado
      É nunca se envaretar
      Ser malandro e debochado
      É melhor do que embrabar
      "Levar tudo na esportiva"
      É o jeito de driblar
      Pois perde quem sai ganhando
      Na hora que a parte entrar.
                      ***********
      É bom saber que lá dentro
      O tratamento é sortido
      Tem os bons, os mais ou menos
      Os brabos, os provalecidos
      Que se aproveitam do cargo
      Para ser obedecido
      Se o quera for retovado
      Fica preso ou é detido.
                ********

      Recordo o meu comandante
      Dos sermões que ele pregava
      Conselhos que não esqueço
      Que todo mundo escutava
      Falava as "vez" uma hora
      E a gente só respirava
      E qum não tinha preparo
      No solaço desmaiava.
                  **********
      No esporte fui campeão
      Pela seção de comando
      Com o Osvaldo e o Dalpiva
      O julio no meio armando
      O pelé jogava sério
      E o padeiro "mutreteando"
      E eu petiço de arqueiro
      A goleira ia fechando.
                    ***********

      Ganha bem pouco o milico
      O soldo sai descontado
      Paga o pito a roupa a folga
      Vai pra algum baile enfeitado
      Se encostar nalgum carinho
      De a muito necessitado
      Quando vem no outro dia
      Os "pila" encurtou um bocado.
                      ************

      Todo dia tem revista
      E de tarde boletim
      Todo mundo interessado
      Escuta tim por tim tim
      Pra ver se cai de serviço
      Se escapar que bom pra mim
      Quarta parte dá cadeia
      Expulsão ou coisa assim.
             ***************

      Foi em abril a prontidão
      De uma "canha" precisava
      E prenderam no portão
      O goularte que levava
      Três dias dobrei serviço
      No alojamento cantava
      Lembrando da namorada
      Que lá fora me esperava.
                 ********
      Fui soldado caprichoso
      A mãe a farda engomava
      Meus coturnos engraxados
      A calça verde frisada
      No bater uma continência
      Até o boné se orgulhava
      De ver um praça garboso
      Que civismo transbordava!
                    **********
      Mas chegou o dito dia
      Do tal de "pronto passar"
      Todo o esquadrão em forma
      Em frente dele marchar
      No juramento sagrado
      Uma vida pra lembrar
      Ela hasteada soberana
      Minha bandeira jurar.
              ***********

      Ontem, hoje, juro sempre
      Quando te ver tremular
      Ou ao escutar nosso hino
      A emoção me encilhar
      Uma lágrima crioula
      Em minha face rolar
      É o patriotismo farrapo
      Que está no sangue a pulsar.
                  *************
      Ponho minha mão no peito
      Em cima do coração
      Vejo no verde pampeano
      Os campos do meu rincão
      No amarelo, vejo ouro
      No azul o céu deste chão
      No branco paz e progresso
      Simbolismo da nação.”