sexta-feira, 24 de outubro de 2014

NESTA SEGUNDA-FEIRA, PELA NATIVA FM, UM POEMA DE JERÔNIMO JARDIM E HOMENAGEM A TRIUNFO...


    NESTA SEGUNDA-FEIRA, ACOMPANHE PELA NATIVA FM UM POEMA DE JERÔNIMO JARDIM E HOMENAGEM A TRIUNFO, RS!!!

***************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

*****************

    OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h enquanto perdurar a propaganda política gratuita pelo rádio até a eleição de 2º turno.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.Na internet: www.nativafmpiratini.com.
Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.

     Nesta SEGUNDA-FEIRA, 27 de OUTUBRO de 2014, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

 
1) homenagem ao município de TRIUNFO, criado em 25 de outubro de 1831;

2)a LENDA DO MENINO DIABO de ANTONIO AUGUSTO FAGUNDES, extraído da obra do próprio autor, “MITOS E LENDAS DO RIO GRANDE DO SUL” (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 1996, 5ª edição, p. 156 a 157);

3) o causo “A CARTA DO DESIDÉRIO”  de SEJANES DORNELLES, extraído da obra do próprio autor, “CAUSOS DA QUERÊNCIA – Literatura Oral” (Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul, 1988, 3ª edição, p. 142 a 145);

4) o poema “QUATRO LUAS” de JERÔNIMO JARDIM, extraído da obra “COLETÂNEA DA POESIA GAÚCHA”, organizada por DILAN CAMARGO (Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Estado do RS/Corag, 2005, p. 142).

*********************************************************************************************************************************************************
*A FOTOGRAFIA QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM ESTÁ DISPONÍVEL EM https://www.facebook.com/242432219119214/photos/t.100001795480956/406726972689737/?type=3&theater – PERFIL DO SAUDOSO ARTISTA GERALDO FLACH – E REGISTRA JERÔNIMO JARDIM (DE AMARELO), GERALDO FLACH (DE BARBA) E IVAN LINS (Rua Caribe - Porto Alegre, 1987). - *********************************************************************************************************************************************************

Eis o poema em destaque:

“QUATRO LUAS
(Autor: JERÔNIMO JARDIM)

Quatro luas, quatro ventos
Eu sofri sem merecer
Quatro enterros, casamento
Eu vivi pra esquecer.

Só queria os teus cuidados
Ser amado pra valer
Não ser gado bem criado
Mas marcado pra morrer.

A porteira dos teus braços
Eu abri pro bem querer
Nas rodilhas do teu laço
Me enredei sem entender.

Passei sol, chuva, ao relento
Junto a ti sem perceber
Que virei vento no tempo
Nada tendo o que perder.”

HOMENAGEM À MEMÓRIA DO TROVADOR PIRATINIENSE RENATO LIMA, falecido em 23 de outubro de 2014






HOMENAGEM À MEMÓRIA DO TROVADOR PIRATINIENSE RENATO LIMA, falecido em 23 de outubro de 2014

(Autor: JUAREZ MACHADO DE FARIAS)

               ************

São ossos duros do ofício
Na sina de locutor
Quando a voz ao microfone
Traduz a tamanha dor
Em um convite pra enterro
De um gaúcho trovador!...

Foi nessa manhã de sexta,
Com a cara muito cerrada,
Que o convite estava ali,
Com a letra bem declarada,
Falando do trovador
Que já trocou de morada.

Conheci numa “Nascente”,
Festival de convidados,
Que aqui em Piratini,
Tantos xirus irmanados,
Compunham letras e sons
Pra deixarem seus recados.

Foi lá que eu o vi trovando,
Campeando a distante rima,
Tapeando o chapéu na testa,
Com o verso firme na esgrima.
Foi assim que eu conheci
O TROVADOR RENATO LIMA!

Desde então, nos enxergamos
Como sendo camaradas,
Pisando nas mesmas ruas,
Cruzando as mesmas estradas,
Com lembranças de fandangos,
De trovas e gauchadas.

Por brincar com seu sorriso,
Sempre de forma dileta,
Quando eu o via, descendo
De sua motocicleta,
Ali lhe puxava um verso,
Brincando de ser poeta!

RENATO é nome bonito
Que lembra renascimento;
E LIMA rima com RIMA,
Vocação e seu talento.
Piratini perde, agora,
Um homem de fundamento!


Recém voltei da Capela,
Onde ocorre seu velório.
Quando é “malina” a doença,
Nem adianta um ajutório.
Vão estes versos singelos
Pra ele, como ofertório.

No Céu onde tantas almas
Foram cá grandes senhores:
Gildo de Freitas e tantos
Que deram a Terra mais cores.
Descanse, RENATO LIMA,
No alto, entre os trovadores!

*********************************
A IMAGEM QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM ESTÁ DISPONÍVEL EM http://wp.clicrbs.com.br/editor/2010/09/18/a-heranca-politica-de-piratini/?topo=13,1,1,,,13 , ACESSO EM 24 DE OUTUBRO DE 2014, E REGISTRA A CASA DE GARIBALDI, SITUADA NA AVENIDA BENTO GONÇALVES, PIRATINI, RS.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

NESTA SEXTA-FEIRA, ACOMPANHE PELA NATIVA FM A BIOGRAFIA DE JÚLIO PRATES DE CASTILHOS, FALECIDO EM 24 DE OUTUBRO DE 1903!!!


        NESTA SEXTA-FEIRA, ACOMPANHE PELA NATIVA FM A BIOGRAFIA DE JÚLIO PRATES DE CASTILHOS, FALECIDO EM 24 DE OUTUBRO DE 1903!!!


***************************************************************************************************************************************************************************************************************************************


"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)



*****************


    OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h enquanto perdurar a propaganda política gratuita pelo rádio até a eleição de 2º turno.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.Na internet: www.nativafmpiratini.com.
Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts


PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.


     Nesta SEXTA-FEIRA, 24 de OUTUBRO de 2014, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1) homenagem ao município de INDEPENDÊNCIA, criado em 23 de outubro de 1965;

2) alusão à data de 24/10/1903 quando ocorreu o           falecimento     de JÚLIO PRATES DE CASTILHOS - político, Governador do Rio Grande do Sul, por meio de leitura de sua biografia publicada em “DICIONÁRIO POLÍTICO DO RIO GRANDE DO SUL – 1821-1937” de SÉRGIO DA COSTA FRANCO (Porto Alegre: Suliani Letra & Vida, 2010, p. 57 a 59);

3)homenagem à memória do radialista GLÊNIO REIS, nascido em 24 de outubro de 1927, e falecido em 15/08/2014, por meio de leitura de sua biografia publicada em “SOM DO SUL – A História da Música do Rio Grande do Sul no Século XX” de HENRIQUE MANN (Porto Alegre: Tchê!, 2002, p. 206);

4)o causo “SÓ FALO A VERDADE”  de ELTON BARBOSA, extraído da obra do próprio autor, “NA HORA DO MATE – Contos Gauchescos” (Pelotas: Edição do Autor, 2008, p. 106 a 107);

5) trecho do poemeto campestre “ANTONIO CHIMANGO – Sátira Política” de AMARO JUVENAL (pseudônimo de RAMIRO BARCELOS (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 1998, 25ª edição, p. 61, estrofe nº 169 e seguintes).

*********************************************************************************************************************************************************
*A FOTOGRAFIA QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA O RETRATO DE JÚLIO DE CASTILHOS (Imagem disponível em http://copacabana.com/rua-julio-de-castilhos/, acesso em 19 de outubro de 2014).

*********************************************************************************************************************************************************

Eis um trecho do poema em destaque:

“ANTONIO CHIMANGO
(Autor: AMARO JUVENAL)

(...)
169
Um dia... ansim, de repente,
Esta notícia correu:
- O Coronel Prates morreu!
A muitos custava crer;
Como havia de morrer,
Se ele nunca adoeceu?

170
Foi um choque em toda parte,
Ninguém por tal esperava:
O coronel se finava,
Sem que o soubessem doente;
E ansim foi que muita gente
Ao princípio duvidava.

171
Infelizmente era certo,
Foi um desgosto geral;
Ninguém sabia do mal
De que o Coronel sofria,
E que ele talvez encobria
Por saber que era fatal.

172
Toda a Estância de São Pedro
Ficou como atordoada.
Se há morte que foi chorada
Devia ser como aquela;
Quando a gente pensa nela,
Parece um sonho e mais nada.

173
O coronel tinha feito
Em vida o seu testamento;
E foi o seu pensamento
Deixar tudo repartido
Aos que le tinham servido
Com grande devotamento.

174
Pra não dividir-se a Estância
Ao tempo em que falecesse
Que a peonada escolhesse
Dentre si o mais sisudo,
Que este administrasse tudo
E que o resto obedecesse.


175
Naqueles dias tão tristes
A Estância marchava a esmo,
Ninguém cuidava em si mesmo,
Era tudo pranto e luto;
Mas o Chimango era astuto
E foi juntando o torresmo.

176
Como capataz que era
Tinha a sua camarilha.
Que  escorava de forquilha
Seus projetos de ambição;
A quem tem poder na mão
Nunca lhe falta a matilha.

177
E o acaso aproveitando,
Naquela situação bruta
De andar longe em recruta
A peonada mais guapa.
Tomou tudo e até a inhapa
Sem ter trabalho nem luta.”