sábado, 28 de março de 2015

NESTA SEGUNDA-FEIRA, PELA NATIVA FM, UM POUCO DA HISTÓRIA DE PIRATINI!!!








 https://luizdemiranda.files.wordpress.com/2012/06/image0081.jpg
NESTA SEGUNDA-FEIRA, PELA NATIVA FM, UM POUCO DA HISTÓRIA DE PIRATINI!!!


*********************************************************************************************************************************************************

"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

                 *****************

OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h30min.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.
Na internet: www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.

Nesta SEGUNDA-FEIRA, 06 de ABRIL de 2015, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1)         HOMENAGEM AO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL, CRIADO EM 04 DE ABRIL DE 1846 SEGUNDO A LEI ESTADUAL Nº 08 DE MESMA DATA;
2)         HOMENAGEM AO ANIVERSARIANTE DO DIA, O POETA LUIZ DE MIRANDA, NASCIDO EM 06 DE ABRIL DE 1945, EM URUGUAIANA;
3)         TRECHO DA OBRA “HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DE PIRATINI – ROTEIRO HISTÓRICO E SENTIMENTAL” DE DAVI ALMEIDA (Piratini: Edição do Autor, 1997, 2ª edição, p. 10 e seguintes);
4) O TEXTO “URUBU”  DISPONÍVEL EM http://eusabiaetusabias.blogspot.com.br/2014/12/o-urubu.html, ACESSO EM 06 DE DEZEMBRO DE 2012, ASSINADO POR PEDRO A. C. TEIXEIRA;
5)         O CAUSO INÉDITO “O OUTRO” ESCRITO E ADAPTADO POR JUAREZ MACHADO DE FARIAS A PARTIR DE RELATO DE ROLANDO BOLDRIN EM SEU PROGRAMA TELEVISIVO “SR. BRASIL” (TV CULTURA DE SÃO PAULO);
6)         O POEMA “PAMPA DE LUZ” DE LUIZ DE MIRANDA, EXTRAÍDO DA OBRA “COLETÂNEA DA POESIA GAÚCHA” ORGANIZADA POR DILAN CAMARGO (Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul/Corag, 2005, p. 184).



*****A IMAGEM (ACIMA) QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA PARTE DA RUA BENTO GONÇALVES (ANTIGA RUA CLARA) NO MOMENTO DO OCASO (DISPONÍVEL EM http://juarezmachadodefarias.blogspot.com.br/2014/12/piratini-da-rua-clara-ate-fonte.html, ACESSO EM 28 DE MARÇO DE 2015).

 *****A IMAGEM (ABAIXO) QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA O POETA LUIZ DE MIRANDA (DE BARBA) COM LUPICÍNIO RODRIGUES (DE CAMISA BRANCA) (DISPONÍVEL EM https://luizdemiranda.files.wordpress.com/2012/06/image0081.jpg, ACESSO EM 28 DE MARÇO DE 2015).





Eis o poema em destaque:

“PAMPA DE LUZ
(Autor: LUIZ DE MIRANDA)

Tudo que morre em mim
Vive dentro de ti,
É uma estrela perdida
Nave de luz na noite
É a vida que venta
E renasce sozinha,
É o trabalho do tempo
Que grava em nós
Os sinais do caminho.

Tudo que morre em mim
Fica ventando no chão,
Paixão de luz sem fim
Que o amor leva leve,
No colo azul da brisa
Na lisa mão do mar,
Nas notas do meu cantar
Que grava em nós
Os sinais do caminhar.

Mas tudo renasce em ti:
Amor, amar, auroras
Lugar donde nunca parti
Que brilha, brilha, brilha
Ontem, hoje, agora
No céu no mar no sul,
Na pampa de luz azul,
Amor, amar, auroras
Lugar donde nunca parti
Que brilha, brilha, brilha
Perdido cometa, perdido cometa
Na trilha luminosa desse planeta.”

 ***********************************************************
O URUBU 

(TEXTO DISPONÍVEL EM http://eusabiaetusabias.blogspot.com.br/2014/12/o-urubu.html, ACESSO EM 06 DE DEZEMBRO DE 2012.:

PUBLICADO POR PEDRO A. C. TEIXEIRA

Certa feita, provavelmente em 1965, papai e eu conversávamos quando ele, um homem simples, pouco escolarizado, mas um excelente profissional em sua carreira militar, contou-me uma história que lhe haviam contado.

Não lembro, mas provavelmente tenha sido contada por Tio Tranquilo, um uruguaio casado com tia Anália, irmã de minha Avó Idelvira.

Maldito acordo ortográfico que tirou o trema. Muitos hão de pensar que o nome é “Trancuilo”, mas em castelhano do Uruguai é Trankilo, mesmo, só que se escreve Tranquilo.

Contou-me que certa vez no Uruguai, próximo a fronteira dois uruguaios ao saberem que um terceiro homem estava com a guaiaca forrada de pesos, pois havia ganho em uma carreira de cancha reta, resolveram assaltar o incauto e dele levar seu dinheiro.


Seguiram o infeliz que ia em seu cavalo vitorioso por um caminito de tierras coloradas, e em meio a um pajonal o assaltaram.

Porém o guapo gaúcho puxou seu talher de briga e se entreverou contra os dois.

Como estavam em pareja, levaram vantagem e o feriram mortalmente o pobre homem.

Caído ao solo, contorcendo-se em dores que queimavam suas vísceras, com a mão esquerda apontou para cima de uma árvore e disse aos assassinos.


--  Ali esta minha testemunha.

Os dois alcaides olharam para o alto e lá encima da árvore viram um urubu que a tudo assistia, já sentindo o cheiro da morte.

Riram-se os dois bandidos e foram-se deixando o infeliz ali morto jogado a estrada.

A polícia não tinha nenhuma maneira de elucidar o caso, porém um inspetor resolveu, em um fim de semana assistir umas carreiras, onde parejas de belos cavalos disputavam, uma após outra, na vã esperança de tentar descobrir algo.


A gauchada, aperada, apostava, enquanto tomava tragos e mais tragos.

O inspetor, desconhecido na região aproximou-se de um grupo que gracejava sobre o último páreo e ouviu dois paisanos conversando baixo.

Afinou o ouvido quando ouviu um dizer para o outro em voz baixa, enquanto apontava para um urubu que havia pousado sobre uma grande pedra que jazia em campo aberto.


- Mire usted, el testigo del difunto.

Aquilo chamou a atenção do policial, que na mesma hora deu voz de prisão aos dois, e depois de muitos interrogatórios chegou-se a elucidação do assassinato.

Buenas, tche, até aqui tudo bem.

Porém tal caso nada mais é do que uma adaptação de uma fábula grega, que encontrei ao ler “Eumenices”, no Blog “Porto Isabel”, do caríssimo Jaques Xavier Jacomini, que a publicou no dia 4 de dezembro último.

NESTA SEXTA-FEIRA, PELA NATIVA FM, CONHEÇA O FOLCLORE DA SEMANA SANTA NA CULTURA GAÚCHA!!!



Resultado de imagem para COLHEITA MACELA RIO GRANDE DO SUL




NESTA SEXTA-FEIRA, PELA NATIVA FM, CONHEÇA O FOLCLORE DA SEMANA SANTA NA CULTURA GAÚCHA!!!


*********************************************************************************************************************************************************

"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."
(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

                 *****************

OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h30min.

Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.
Na internet: www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.

Nesta SEXTA-FEIRA, 03 de ABRIL de 2015, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1)         HOMENAGEM AO MUNICÍPIO DE PEDRO OSÓRIO;
2)         O TEXTO “SEMANA SANTA” EXTRAÍDO DA OBRA “RIO GRANDE DO SUL – ASPECTOS DO FOLCLORE” DE LILIAN ARGENTINA B. MARQUES, PAULA SIMON RIBEIRO, ROGÉRIO FOSSARI SANCHOTENE E SONIA SIQUEIRA CAMPOS, EXTRAÍDO DA OBRA DO PRÓPRIO AUTOR, “MITOS E LENDAS DO RIO GRANDE DO SUL” (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 1995, 3ª edição, p. 91 a 94);
3)         O CAUSO “ONÇA ENFREADA” DE JOÃO SIMÕES LOPES NETO, EXTRAÍDO DA OBRA DO PRÓPRIO AUTOR, “CASOS DO ROMUALDO” (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 1982, p. 191 a 194);
4)         O POEMA “SEXTA-FEIRA ROXA” DE JOSÉ HILÁRIO RETAMOZO, EXTRAÍDO DO ENCARTE DO DISCO (CD) “AUTORES GAÚCHOS – JOSÉ HILÁRIO RETAMOZO” (GRAVADORA USA DISCOS);
5) A IMPORTÂNCIA DA MACELA OU MARCELA, A PLANTA MEDICINAL SÍMBOLO DO RIO GRANDE DO SUL.





*****A IMAGEM (ACIMA) QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA COLHEITA DE MACELA EM SANTA ROSA, RS. (DISPONÍVEL EM http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2012/04/fieis-madrugam-para-colher-macela-no-amanhecer-em-santa-rosa-rs.html, ACESSO EM 28 DE MARÇO DE 2015).

 *****A IMAGEM (ABAIXO) REGISTRA A ERVA MEDICINAL COLHIDA (DISPONÍVEL EM http://www.regiaodosvales.com.br/municipios/noticias/noticia.php?idc=15&id=19394, ACESSO EM 28 DE MARÇO DE 2015).




Eis o poema em destaque:

“SEXTA-FEIRA ROXA
(Autor: JOSÉ HILÁRIO RETAMOZO)

Ninguém se atreve a recorrer o campo
É tudo triste ao mínimo de ação
E o dia roxo para a voz e o campo
É sexta-feira santa da paixão

Não brinca, não faz arte, não diz nome
O dia inteiro é só proibição
Não tira leite, carne não se come
É sexta-feira santa da paixão

Não grita, piá, não assobia, piá
O diabo está à solta neste mundo cão
Quem grita ou assobia abraçará
O diabo nesta sexta da paixão

Que a Jesus Cristo o dia se consagre
Pelas forças da fé na devoção
Colham-se as ervas, façam-se os milagres
Da cura pela simples infusão

Desde que amanhece até que chegue a tarde
Montando triste um zaino cor de cuia
O lombo da piazada em chamas arde
Eu amanhã te tiro as aleluia”

NESTA QUINTA-FEIRA, PELA NATIVA FM, CONHEÇA UM POUCO DA TRADIÇÃO DO FESTIVAL DA BARRANCA!!!







 

NESTA QUINTA-FEIRA, PELA NATIVA FM, CONHEÇA UM POUCO DA TRADIÇÃO  DO FESTIVAL DA BARRANCA EM SÃO BORJA!!!







*********************************************************************************************************************************************************



"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."

(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)



                 *****************



OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h às 07h30min.



Sintonize no seu rádio a NATIVA FM – FM 93.9.

Na internet: www.nativafmpiratini.com.



Participe da página da RÁDIO no Facebook:



https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts



PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO AO VIVO DE JUAREZ MACHADO DE FARIAS.



Nesta QUINTA-FEIRA, 02 de ABRIL de 2015, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:





1)    HOMENAGEM AO MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA;

2)    HOMENAGEM AO FESTIVAL DA BARRANCA, EM SÃO BORJA, CRIADO EM 1972 PELO GRUPO AMADOR DE ARTE  "OS ANGUERAS";

3)    O POEMA "O MATE DE QUEM SE VAI" DE RODRIGO BAUER, VENCEDOR DA 24ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DA BARRANCA, EM 1996, QUANDO O TEMA FOI "REFLEXÕES NA HORA DO MATE";

4)    O CAUSO "PORÉM GELADA" DE APPARICIO SILVA RILLO, EXTRAÍDO DE SEU LIVRO “RAPA DE TACHO – Causos Gauchescos” (Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2002, p. 49 a 50);
5) A LENDA "O ANGUERA", EXTRAÍDO DA OBRA "CONTOS GAUCHESCOS & LENDAS DO SUL" DE JOÃO SIMÕES LOPES NETO (Porto Alegre: L&PM Pocket, 2001, p. 222 a 224);
6) O POEMA INÉDITO EM FORMA DE SONETO "QUERÊNCIA" DO POETA E BARRANQUEIRO DELCI OLIVEIRA.



 ****A IMAGEM (ACIMA) QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA A SEDE DO GRUPO AMADOR DE ARTE "OS ANGUERAS", EM SÃO BORJA. (DISPONÍVEL EM http://www.angueras.com.br/, ACESSO EM 28 DE MARÇO DE 2015).

*****A IMAGEM (ABAIXO) QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA JUAREZ MACHADO DE FARIAS E EX-GOVERNADOR OLÍVIO DUTRA NO FESTIVAL DA BARRANCA NO ANO DE 2008 (DISPONÍVEL EM http://juarezmachadodefarias.blogspot.com.br/2008/04/ex-governador-olvio-dutra-na-37.html, ACESSO EM 28 DE MARÇO DE 2015).









Eis os poemas em destaque:


"O MATE DE QUEM SE VAI

(Letra de Rodrigo Bauer, música de José Lewis Bicca e de Pedro Julião Ayub)

Era uma vez um poeta
Os olhos bons de profeta
Transcendiam nhu-porãs
As mãos de cerne e lonjuras
Cevavam rimas maduras
Pro mate dos amanhãs

Mateava com o rio à frente
E o pensamento presente
Afastava-se com calma
Seu olhar era uma pomba
Sorvendo o rio pela bomba
Para os remansos da alma

E assim imerso no amargo
Viola de canto largo
Se vestiu de poesia
Sentado ao fogo pensava
Mas de repente voava
Nos versos que lhe surgiam

O costume se conserva
Embora se troque a erva
Não se perdem ideais
O mate nunca é lavado
Pois se descobre o passado
Nos avios de quem se vai. 

Tudo isso, ainda penso,
Neste fogo que eu incenso
Os olhos e o coração
E uma saudade perdida
Vai na lágrima fugida
Que cai no meu chimarrão.
  
Onde andará o barranqueiro,
Mateando luz no pesqueiro
De uma nuvem terna e branca
Que o pranto alegre que larga
É o sereno que embriaga
Nossas noites na barranca..."
           ***********




"QUERÊNCIA
(AUTOR: DELCI OLIVEIRA)


Querência é a certidão predestinada,
Maravilhosamente consentida,
Que nos ampara ao transcorrer da vida,
Haja espinhos ou flores na jornada.

Querência é a mão sempre estendida
Por um irmão, na porta escancarada
A quem regressa, ao revés da estrada,
Sem encontrar a Terra prometida.

Corri mundo e voltei para a querência
Onde ainda sucede com frequência
Um episódio de Semana Santa

que há mais de um século se perpetua:
se acaso alguém de nós cair na rua,
sempre alguém nos socorre e nos levanta!

Delci Oliveira
Pinheiro Machado, 27/03/2015."