quinta-feira, 24 de julho de 2014

NESTA SEXTA-FEIRA, UM CAUSO DO RILLO NA NATIVA FM



"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."

(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)


                                                               ....................


OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h30min às 07h30min, pela RÁDIO NATIVA FM – FM 93.9 – www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:



PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO: JUAREZ MACHADO DE FARIAS.

                Nesta sexta-feira, 25 de julho de 2014, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1)     homenagem ao município de BOM JESUS, criado a  16 de julho de 1913;

2)     o texto “AS SURPRESAS” de ERON VAZ MATTOS, extraído da obra do próprio autor, “MEMORIAL EM OLHOS D’ÁGUA” (Bagé: Edição do Autor, 2003, p. 120 a 121);

3)     o causo  “OUTRAS DO APULHO” de APPARICIO SILVA RILLO, extraído da obra do próprio autor, “RAPA DE TACHO – Causos Gauchescos” (Porto Alegre: Tchê!, 1983, 7ª edição, p. 45 a 47);

4)     a poesia “CHINITA” de UBIRAJARA RAFFO CONSTANT, disponível em www.juntandorimas.com, acesso em 24 de julho de 2014.


*A FOTOGRAFIA QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA O POETA E ESCRITOR APPARICIO SILVA RILLO (DISPONÍVEL EM http://www.caderno7.com/2013/06/aparicio-silva-rillo-sera-homenageado.html, ACESSO EM 24 DE JULHO DE 2014).                                                 



Eis o poema destacado:

“CHINITA

(Autor: UBIRAJARA RAFFO CONSTANT)



Chinita lavando roupa

No empedrado da restinga;

A água passa, resinga,

Querendo tanto ficar...

Chinita entoa cantigas

E “dê-lhe, dê-lhe” lavar.



A pampa se espreguiça

Recostada no mormaço;

Um ventito muito escasso

Mal retouça o santa-fé;

Bezourinho jaguané

Vem chupetear a água pura

No cálice de brancura

Da branca flor do aguapé.



Vão madrugando lembranças

Que agitam seu coração;

Chinita suspira paixão

Entre o canto e o lavar;

Que fazer pra João notar

Seus anseios, seu amor?...

Lembrando o peão domador,

Chinita fica a sonhar.



Salinha de rancho pampa...

Adorno em vasinho branco,

Junto com malva do campo,

A flor do manjericão;

Quintal, forninho de barro,

Cheirinho novo de pão...

Ai!...ranchito, um lar campeiro

Pra ela e o moço peão.”

terça-feira, 22 de julho de 2014

HOMENAGEM A RENATO BORGHETTI NA NATIVA FM !!!





      NESTA QUARTA-FEIRA, HOMENAGEM A RENATO BORGHETTI NO "CANTO DOS LIVRES" PELA RÁDIO NATIVA FM

"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."

(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)

      OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h30min às 07h30min, pela RÁDIO NATIVA FM – FM 93.9 – www.nativafmpiratini.com.

Participe da página da RÁDIO no Facebook:

https://www.facebook.com/nativafmpiratini?fref=ts

PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO: JUAREZ MACHADO DE FARIAS.

     Nesta quarta-feira, 23 de julho de 2014, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:

1) homenagem ao município de DONA FRANCISCA, criado a 17 de julho de 1965;

2) homenagem ao aniversariante do dia, o músico e compositor gaúcho RENATO BORGHETTI, nascido a 23 de julho de 1963, segundo biografia extraída da obra “O SOM DO SUL – A História da Música do Rio Grande do Sul no Século XX” de HENRIQUE MANN (Porto Alegre: Tchê!, 2002, p. 154 a 157);

3) o causo “A TARTARUGA NA ASSEMBLEIA DOS BICHOS” adaptado por JUAREZ MACHADO DE FARIAS a partir de relato de ROLANDO BOLDRIN em seu programa televisivo “SR. BRASIL” pela TV CULTURA;

4) a poesia “CUSCO CEGO” de APPARICIO SILVA RILLO, extraído da obra do próprio autor, “CANTIGAS DO TEMPO VELHO” (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 2. ed., 1978, p. 29 a 30).

A FOTOGRAFIA QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA O ANIVERSARIANTE DO DIA 23 DE JULHO, O MÚSICO E COMPOSITOR GAÚCHO RENATO BORGHETTI (DISPONÍVEL EM http://www.forroemvinil.com/wp-content/uploads/2011/08/O-melhor-de-Renato-Borghetti-frente.jpg, ACESSO EM 22 DE JULHO DE 2014).


Eis o poema destacado:

“CUSCO CEGO
AUTORIA: APPARICIO SILVA RILLO

Este cusco brasino, cara branca,
pequenote e rabão,
que o parceiro está vendo enrodilhado
aí perto do fogão,
foi mordido de cobra na paleta
quando troteava atrás de uma carreta,
cruzando um macegão.

Resultou de tal manobra
que o veneno dessa cobra
cegou meu cusco rabão!

Faz um tempão
que se deu esse tropeço...
Dava pena, no começo,
ver o cusco, atarantado,
pechar de frente e de lado,
chorando como um cristão.

Agora,
vagueia solitário pelo pátio,
perdido nessa noite sem aurora
que um dia lhe desceu sobre a retina.
Por isso,
quando a noite se embalsama de perfumes
e os pequenos e inquietos vaga-lumes
acendem lamparinas nos brejais,
eu maldigo a injustiça do destino
quando ouço o uivo triste do brasino
chorando a lua que ele não vê mais.”

segunda-feira, 21 de julho de 2014

HOMENAGEM À SERAFINA CORRÊA NA NATIVA FM DE PIRATINI!!!



"CANTA A TUA ALDEIA E SERÁS UNIVERSAL."



(Léon Tolstoi, escritor russo, 1828-1910)





                                                               ....................





OUÇA O PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES”, de segunda-feira à sexta-feira, das 05h30min às 07h30min, pela RÁDIO NATIVA FM – FM 93.9 – www.nativafmpiratini.com.



Participe da página da RÁDIO no Facebook:








PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO: JUAREZ MACHADO DE FARIAS.



                Nesta terça-feira, 22 de julho de 2014, além de música, poesia, roncos de mate e vozes de aves nativas, teremos as seguintes atrações:



1)     homenagem ao município de SERAFINA CORRÊA, criado a 22 de julho de 1960;



2)     o texto “NOSSO ADÃO” de MONTIEL BALLESTEROS, extraído da obra “ALMANAQUE DOS GAÚCHOS – 2º Semestre de 1997” (Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 1997, p. 09);



3)     o causo  “O JOGO DO  BICHO NA CAMPANHA” de SEJANES DORNELLES, extraído da obra do próprio autor, “CAUSOS DA QUERÊNCIA – Literatura Oral” (Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul, 1985, p. 62 a 63);



4)     a poesia “QUERÊNCIA XUCRA” de CYRO GAVIÃO (disponível em www.juntandorimas.com, acesso em 21 de julho de 2014).





A FOTOGRAFIA QUE ILUSTRA ESTA POSTAGEM REGISTRA JUAREZ MACHADO DE FARIAS DURANTE APRESENTAÇÃO DE ESTREIA DO PROGRAMA “CANTO DOS LIVRES” NO ESTÚDIO DA RÁDIO NATIVA FM (FOTOGRAFIA DA JORNALISTA JOSIANE REIS DUARTE).





                                                               ***********

      

Eis o poema destacado:



““QUERÊNCIA XUCRA



(Autor: CYRO GAVIÃO)







Quando a tarde vem chegando,



De “tiro” traz a saudade...



Cabresto forte é vaidade



No buçal do coração...



Pois não aguenta a tirão,



Pregado dentro do peito,



Quando a tarde, desse jeito,



Morrendo, beija o rincão!







Do açude da invernada,



Uma garça envaidecida



- Lenço branco em despedida-



Vai acenando, no céu...



Republicano troféu,



Lembrando cargas de lança,



Defendendo uma esperança



Que se perdeu “a lo léu”.







Nessa tarde ensanguentada,



Quando o sol morre sangrando,



Vejo o lenço colorado



Do maragato aragano...



Irmão do republicano,



Que combateu, peito a peito,



Guardando sempre o respeito



Do Rio Grande soberano.







Eu te relembro sonhando,



Querência, velha querência!



Sentindo tua influência



Na formação desta raça...



Eu sinto o tempo que passa,



Galopeando na coxilha,



Marcando, em mim, sua trilha



Com ferro, fogo e fumaça.







Na tua soberania



Eu te revejo imortal:



No pampa largo, um bagual;



Um touro escarvando a terra.



Parece um grito de guerra,



Na exaltação da querência;



Um grito de independência



Na voz do touro que berra.







No altar da minha crença



- Fogo rude de galpão -



Eu rezo minha oração



No catecismo do pago...



Que decorei com afago,



Gineteando meu lombilho,



Guardando de pai pra filho



Conselhos qu’eu inda trago.







Já basteriado na vida,



Vou galopeando a memória:



Querência xucra da história,



Das rondas duma tropeada,



Da “sentinela avançada”



Do quero-quero gaudério;



Dos contos do Tio Lautério



Que já não valem mais nada.







Pousadas de carreteiros...



Esquilas e marcação...



Fogo grande de galpão...



Floreios de uma cordeona...



Meu peito todo se entona,



Lembrando a china faceira,



Orelhando uma primeira,



Nas abas duma carona.







Meu xucro naco de terra,



Do meu Brasil um pedaço,



Batalhaste sem cansaço,



Na honra que te conduz...



A glórias fizeste jus



E ao grito de upa e upa!



Hás de salvar, na garupa,



A terra de Santa Cruz.”